terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

UMA ESTRANHA DENTRO DE CASA

*A ESTRANHA*
 
Alguns anos depois que nasci, meu pai conheceu uma estranha, recém-chegada à nossa pequena cidade.
Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com esta encantadora personagem e, em seguida, a convidou a viver com nossa família.
A estranha aceitou e, desde então, tem estado conosco.
Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre seu lugar em minha família; na minha mente jovem ela já tinha um lugar muito especial.
Meus pais eram instrutores complementares... minha mãe me ensinou o que era bom e o que era mau e meu pai me ensinou a obedecer.
Mas a estranha era nossa narradora.
Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias.
Ela sempre tinha respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência.
Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro!
Levou minha família ao primeiro jogo de futebol.
Fazia-me rir, e me fazia chorar.
A estranha nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava.
Às vezes, minha mãe se levantava cedo e calada, enquanto o resto de nós ficava escutando o que tinha que dizer, mas ela ia à cozinha para ter paz e tranquilidade. (Agora me pergunto se ela teria rezado alguma vez para que a estranha fosse embora).
Meu pai dirigia nosso lar com certas convicções morais, mas a estranha nunca se sentia obrigada a honrá-las.
As blasfêmias, os palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nossa casa… nem por parte nossa, nem de nossos amigos ou de qualquer um que nos visitasse.
Entretanto, nossa visitante de longo prazo usava sem problemas sua linguagem inapropriada que às vezes queimava meus ouvidos e que fazia meu pai se retorcer e minha mãe se ruborizar.
Meu pai nunca nos deu permissão para tomar álcool. Mas a estranha nos animou a tentá-lo e a fazê-lo regularmente.
Fez com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo, e que os charutos e os cachimbos fossem distinguidos.
Falava livremente (talvez demasiado) sobre sexo. Seus comentários eram às vezes evidentes, outras sugestivos, e geralmente vergonhosos.
Agora sei que meus conceitos sobre relações foram influenciados fortemente durante minha adolescência pela estranha.
Repetidas vezes a criticaram, mas ela nunca fez caso aos valores de meus pais, mesmo assim, permaneceu em nosso lar.
Passaram-se mais de cinquenta anos desde que a estranha veio para nossa família. Desde então mudou muito; já não é tão fascinante como era no princípio.
Não obstante, se hoje você pudesse entrar na guarida de meus pais, ainda a encontraria sentada em seu canto, esperando que alguém quisesse escutar suas conversas ou dedicar seu tempo livre a fazer-lhe companhia...
Seu nome? Ah. seu nome…
 
*Chamamos de TELEVISÃO!*

É isso mesmo; a intrusa se chama *TELEVISÃO!*
 
Agora ela tem um marido que se chama *Computador,* um filho que se chama *Celular* e um neto de nome *Tablet.*
 
A estranha agora tem uma família. A nossa será que ainda existe?

14 comentários:

  1. O mais interessante é a verdade contida na mensagem. Todos os que já estão passando pelo cabo da boa esperança (como nós), sabemos e assistimos a tragetória da amante dentro de casa desde os tempos de preto e branco...claro, era novidade e um entretenimento para a familia curtir junta...mas o inimigo soube premiar seus braços infiltrados na humanidade e contaminar os filhos de Deus com costumes destrutivos....uma pena...

    ResponderExcluir
  2. Só que não tem só a parte ruim, Daniel, ela traz coisas positivas, apesar dessas não serem tão atraentes...

    ResponderExcluir
  3. vai sair no broco dos moiados amaurih?

    ResponderExcluir
  4. Vc parece ter alguna rincha de prestigiar o carnaval de nazare

    ResponderExcluir
  5. "Rincha"? Você é a pessoa que não sabe o que é uma pessoa ter somente pensamentos ruins... Você é do mal... Eu tenho admiração pelo que o pessoal de Nazaré faz, porque teria qualquer "rincha"? Só acho que a nossa cidade teria alguma coisa melhor se gente da sua espécie, por exemplo, não quisesse tanto o contrário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabens ao Sergio por cancelar essa festa profana q so gera gasto quem gosta q va pra nazare atibaia bahía rio

      Excluir
    2. Você adora não é espírito ruim? Pra você tudo o que possa trazer alegria para as pessoas te incomodam, não é??? A cidade está do jeito que você adora... Sem nada... Sem alegria... Sem atividades... Sem felicidade... Do jeito que você gosta... Você significa atraso para tudo ao seu redor, você deveria ir pro sítio, pra uma caverna, para o lugar que vão as pessoas que não são sociais...

      Excluir
  6. Carnaval nao prefeito cupixa vereador ou seja�� la quem for se tens criatividade tudo se acontece como foi em.nazate q conheco a historia onde chegaram a�� proibi los a desfilar nas acreditaram no sonho e foram atrás em perdoes quem quer fazer carnaval? vc quer vista a camisa e faca ue ...

    ResponderExcluir
  7. Nós já fizemos espírito do demônio... Você não se lembra, seu espírito ruim não deixa que você alimente boas lembranças, mesmo porque pra você nunca foram boas, sua inveja e ressentimentos, apagam as coisas que eram boas, você não lembra dá Unidos da Capela, você só lembra do que considerava ruim, como a participação das pessoas, você sempre odiou...

    ResponderExcluir
  8. Exatamente enquanto eu Viver vou colocar minha alta influencia pra nunca mais sua turma ganhar mais nenhuma eleicao dito e feito.

    ResponderExcluir
  9. Kkkkkk ja to iluminado

    ResponderExcluir
  10. Ô... Iluminado como todos os que têm índole igual à sua. Iluminado como todos os que por ressentimento, inveja, e outros sentimentos desse tipo, atrasam a vida das pessoas... Parabéns, você é muito forte, tem uma força dos infernos...

    ResponderExcluir