segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

NOVO CONSELHO PAROQUIAL

Na missa de São Sebastião, São Gonçalo e São Benedito, realizada no dia 25 de janeiro, dia de São Paulo, o padre Luiz apresentou o novo Conselho Paroquial. Desejamos sucesso ao grupo e que a luz do Bom Jesus o ilumine em todos os seus atos.

sábado, 24 de janeiro de 2015

BANDA NAZIRÊ - DANDO UM PETELEKO

Uma música pra regar a vida com beleza e arte.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

APOSENTADO DO INSS DO GOVERNO DILMA

O prazo está terminando, o aposentado tem até dia 28 de fevereiro para tomar as devidas providências...




quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

ELEITORES DA DILMA - ONDE ESTÃO?

O PERFIL DE UM ESQUERDOPATA!!!
Nunca vi um enquadramento tão perfeito!
Por Edson F. Nascimento - Psiquiatra e Psicoterapeuta
Depois de 55 anos de vida, enquanto psiquiatra, parei para refletir sobre o perfil psicológico da imensa maioria dos esquerdopatas.
Foram péssimos estudantes, a maioria com várias repetições de ano. Mas são de família de classe média, onde sempre sofreram pressão pra "ser alguém na vida". Como são preguiçosossem disciplina e folgados, precisam arrumar um jeitinho para se dar bem e se fazerem passar por coisas que não são, pensam ser! Fingir que é culto, "engajado", e "crítico", o que rende pontos. Assim, prestam vestibular sem concorrência, de preferência em um curso de Geografia, Ciências Sociais e História.
Então, começam sua carreira de charlatanismo. Alguns pouquíssimos estão em cursos como Direito, Medicina, Engenharia, Administração, Economia mas, como não são chegados a estudar, terminam por trancar a matrícula ou mudam de curso. E, muito dificilmente, se enturmam quando tentam esses cursos acima e assemelhados.
Ali, na universidade, encontram todas as ferramentas: professores barbudinhos, livros de esquerda, palestras com "doutores" no assunto; e até o assédio de políticos "guerreiros" do PT, do PC do B et caterva.
É claro que não estudam nada! Vivem o tempo todo no DCE, ligam-se à UNE, deitados no chão, passeando no campus com aquelas mochilas velhas, calças cargo, sandálias de couro e cabelos ensebados.
Alguns começam a se infiltrar nos sindicatos e nas reuniões dos Sem-terra. Já começam a se achar revolucionários e reserva intelectual das massas proletárias exploradas; e também das causas revolucionárias.
Assim, se passam por intelectuais, cultos, moderninhos e diferentes.
Sentem-se mais seguros para atacar as mulheres, achando que elas são doidas por esse tipo de gente. Começam a ver os amigos que estão trabalhando ou cursando Engenharia, Direito, Medicina, Administração ou Economia como pobres coitados que não tiveram a chance da
"iluminação". Como não trabalham e vivem apenas da mesada, estão sempre sem grana. Aí começa a brotar a inveja, o ódio de quem se veste um pouco melhor ou tem um carrinho popular. Estes, são os chamados "porcos capitalistas" ou "burgueses reacionários"!
Começam uma fase ainda mais aloprada da vida quando passam a ouvir Chico Buarque e músicas andinas. Nessa fase, já começam a pensar em se tornar terroristas, lutar ao lado dos norte-coreanos, admiram Cuba e, muitos deles, apoiam o Irã e não acreditam no holocausto judeu!
Fingem esquecer do episódio do muro de Berlim e da queda do comunismo na antiga União Soviética. Não usam mais desodorante e a cada 5 minutos aparece nas suas mentes a imagem de um MacDonald's totalmente destruído.
Mas é claro que o que querem não é a revolução, isso é apenas uma desculpa. Como são incompetentes pra quase tudo, até mesmo para bater um prego na parede, e como sentem vergonha de fazer trabalhos mais simples, por serem arrogantes o suficiente para não começar por baixo, querem saltar etapas.
Querem, no fundo, a coisa que todo esquerdista (esquerdopata!) mais deseja, mesmo que de forma sublimada: um emprego público!
Mas, aí surge um outro problema: é a coisa mais difícil passar em um concurso! É preciso estudar (argh!).
Por isso, sonham com a "revolução" proletária, com a tomada do poder por uma elite da esquerda, nas quais eles estão incluídos, obviamente, afinal são da mesma tribo!
Consequentemente, ocuparão, por indicação, um cargo comissionado em alguma repartição qualquer, onde ganharão um bom salário para poder aplicar seus "vastos e necessários conhecimentos" adquiridos durante anos na luta pela derrubada do sistema capitalista imundo.
Nessa fase, mudam e se contradizem: cortarão o cabelo, usarão terno, passarão a apreciar bons vinhos e restaurantes. E, dependendo do cargo que ocuparão, até motorista particular terão! E, sem dó, enfiarão a mão – e com muito tesão – no dinheiro dos cofres da nação!!!
Claro, que pela nobre causa socialista e para o bem dos trabalhadores, postura sem noção!

Tenho certeza que, após esta leitura, você lembrou de vários vizinhos, conhecidos, colegas, políticos etc....


terça-feira, 20 de janeiro de 2015

CAMPANHA ELEITORAL - ESCOLHAS

Peguei esse vídeo na página da minha sobrinha Dinah, no Face. Já conhecia a piada, mas não o cordel do Maviael:
 
O problema das eleições é que o inferno é aqui, e nem todos os que escolhem o inferno é obrigado a vivê-lo.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

DEVAGAR

Um amigo reclamou que eu tenho deixado o Blog sem atualizações, e isso é um daqueles caminhos que vão em direção ao fim, mas ele tem uma função que, acredito, pode se dar ao luxo de caminhar em velocidade de brisa, não que a cidade esteja bem, pelo contrário, está no ritmo da gente que não poupou esforços para tomar o poder de encaminhá-la rumo ao futuro. E ela está caminhando, do mesmo modo que tudo acompanha...

Agora teremos a Festa de São Sebastião, que um dia já foi, também, de São Gonçalo, mas que pelo empenho da Secretaria Municipal de Cultura, e pelas artimanhas e interesses do secretário, a despeito do que consta ou constava no Calendário Estadual, parece que vai deixar de ocorrer. Outro detalhe que nós já chegamos a discutir muito, mas que mudando o padre, mudando as pessoas que decidem, inclusive na Igreja, eles decidem modificar, e que também consta nos documentos mandados para o Estado sobre uma característica diferenciada dessas festividades em nossa cidade, que era a mudança de dia, ficando estabelecido que a nossa Festa seria realizada sempre no último final de semana do mês de janeiro. O motivo era somente para que não houvesse concorrência com outra Festa de São Sebastião, mais tradicional, realizada em Piracaia, na Igreja de São Sebastião. Achamos por bem não deixar duas Festas no mesmo dia na Região, para que uma não atrapalhasse a outra. Por menos que isso possa ocorrer achamos interessante respeitar.

Não vi a programação da parte religiosa, vi os anúncios das festividades da Prefeitura e da Corrida.

Não creio que o fato de ter também festa em Piracaia nesse final de semana venha a prejudicar o sucesso da Festa, mas fica o registro.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

DESENFEITANDO

Com a retirada do Presépio, hoje, terça, 13 de janeiro, a Prefeitura colocou fim aos enfeites de fim de ano da cidade.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

CADÊ??? FUGIU DE PIJAMA...

Eu assisti no Fantástico ontem, e acho que é interessante publicar pra quem não pode assistir, Clique na imagem e veja no G1, o presidente da Câmara de Carmo do Rio Pardo, teve que fugir de pijama.

sábado, 10 de janeiro de 2015

ACIMA DAS LEIS

Sistema ditatorial é aquele que está acima das leis e regras que regem o país.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

SOCIALISMO/CAPITALISMO - IMPOSSÍVEL MULTIPLICAR DIVIDINDO...

Um professor de economia na universidade Texas Tech disse que ele nunca reprovou um só aluno antes, mas tinha, uma vez, reprovado uma classe inteira.
Esta classe em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e 'justo'.
O professor então disse, "Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas." Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam 'justas'. Isso quis dizer que todos receberiam as mesmas notas, o que significou que ninguém seria reprovado. Isso também quis dizer, claro, que ninguém receberia um "A"...
Depois que a média das primeiras provas foram tiradas, todos receberam "B". Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Portanto, agindo contra suas tendências, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos. Como um resultado, a segunda média das provas foi "D". Ninguém gostou.
Depois da terceira prova, a média geral foi um "F". As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por 'justiça' dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram o ano... Para sua total surpresa.
O professor explicou que o experimento socialista tinha falhado porque ele foi baseado no menor esforço possível da parte de seus participantes.
Preguiça e mágoas foi seu resultado. Sempre haveria fracasso na situação a partir da qual o experimento tinha começado. "Quando a recompensa é grande", ele disse, "o esforço pelo sucesso é grande, pelo menos para alguns de nós.
Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros sem seu consentimento para dar a outros que não batalharam por elas, então o fracasso é inevitável."
"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar para alguém aquilo que não tira de outro alguém. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.
É impossível multiplicar riqueza dividindo-a."
Adrian Rogers, (1931-2005)